6

Vovôs também namoram

Isabel Maria (Bebel) e Vicente Oliveira (vô) são meus avôs paternos. Já vai fazer dois anos que meu vô não está mais entre nós. Mas ele deixou tantas boas lembranças que, às vezes, ainda parece estar por aqui. Sinto saudade. E carrego comigo, dentre as várias lembranças, a imagem do amor imenso que ele sempre teve pela Bebel. Amor correspondidíssimo, aliás.

A Bebel e o vô eram um casal a moda antiga. Ele se aposentou como bancário, ela é até hoje uma rainha do lar. Até meu vô contrair a doença que, depois de anos, o levou a morte, ele não sabia o que era fazer um almoço e minha avó nunca tinha pagado uma conta na vida. Os papéis eram bem definidos. Até que meu avô não teve mais condições de ir ao banco, ao mercantil, etc e a minha avó não podia preparar o almoço a tempo depois de passar a manhã fora resolvendo problemas administrativos da casa. O mundo deles virou de cabeça pra baixo. E foi aí que as declarações de amor se tornaram rotina.

Sempre que eu ia visitá-los ouvia meu avô falar sobre como se surpreendia todos os dias com a minha avó. Ele nunca a havia enxergado tão forte e capaz. E fazia questão de enfatizar isso. Dizia ter a mulher perfeita ao lado dele e falava horas sobre o início do namoro, sobre como ela sempre fora a mais linda entre todas. Minha avó, ainda muito recatada e de menos palavras, agradecia pela louça, elogiava a comida e quando tinha visitas gostava de falar sobre suas idas ao banco e comentar como o meu avô tinha se saído bem na sua ausência.

A doença também foi afetando a memória do meu vô e um dia, somente por um momento, ele não reconheceu a Bebel. Logo que se deu conta do absurdo que era aquilo, chorou. Ela entendia e não se importava, mas ele sofreu muito com aquela situação e prometeu que não iria acontecer mais. A doença afetou também os músculos, a vista, a digestão, a fala… Meu avô já não conversava mais quando partiu, mas eu acredito muito que ele cumpriu bravamente a promessa.

Pode parecer uma história triste, mas não é. Minha avó ainda sente falta dele, mas é realmente uma mulher de muita força, sempre sorridente e apreciadora de um bom vinho. Além disso, tem os filhos e netos que preenchem parte desse vazio. Meu avô com certeza está felicíssimo em algum lugar. E, de herança por parte dele, eu fiquei com essa linda história de amor, carinho, respeito e perseverança. Meus avós namoraram a vida inteira.


Todos os casamentos deveriam formar eternos namorados. E você, tabém quer namorar até ficar bem velhinho (a)?